Temos 81 visitantes e 0 membros em linha

 

euribor

Foto de maitree rimthong no Pexels

Descida da Euribor é explicada pelas decisões do BCE, pela desaceleração da inflação e ainda pela conjuntura económica.

As taxas Euribor já terão atingido o pico em 2023, ainda que abaixo dos recordes de 2008, e deverão recuar ao longo de 2024, aliviando um pouco o esforço de quem paga crédito ao banco, segundo analistas contactados pela Lusa.

As continuas subidas das taxas de juro diretoras pelo Banco Central Europeu (BCE) levaram este ano as Euribor (taxas de referência no crédito à habitação) a atingirem os níveis mais elevados desde 2008.

As Euribor já vinham subindo desde abril de 2022, antecipando a mudança na política monetária (face à elevada inflação), mas foi este ano que atingiram máximos desde 2008, atingindo a taxa a seis meses 4,138% em outubro (abaixo dos 5,431% de 2008).

Já nas últimas semanas as Euribor vêm recuando ligeiramente e os mercados esperam que a tendência continue no próximo ano, depois de o BCE ter mantido as taxas diretoras inalteradas nas últimas duas reuniões e poder haver mesmo um corte no primeiro semestre (se o BCE vier a considerar que a inflação está controlada).

Na sexta-feira, dia 29 de dezembro, as Euribor fecharam nos principais prazos abaixo dos 4%. A Euribor foi fixada em 3,909% a três meses, em 3,861% a seis meses e em 3,513% a 12 meses.

Euribor deverá continuar a recuar em 2024

À Lusa, o analista da XTB Henrique Tomé afirmou que as Euribor deverão continuar a recuar em 2024 acompanhando "uma mudança na trajetória dos juros". A influenciar a baixa das Euribor, explicou, estão as decisões do BCE mas também a inflação, a conjuntura económica e a descida dos juros da dívida soberana.

Contudo, avisa que "estas perspetivas podem mudar rapidamente se houver mudanças na trajetória da inflação ou de outros indicadores económicos que possam levar o banco central a refletir sobre a sua estratégia de política monetária".

Para o analista da ActivTrades Mário Martins, depois de 2023 ter sido o "ano do topo nos juros desde 2008", o ano de 2024 "começará com a Euribor a seis meses abaixo dos 4% e será provável que termine entre os 3,25% a 3,50%". Isto, alerta também, "a menos que ocorra algo inesperado, que reverta o caminho de normalização da inflação para o nível desejado dos 2%, o que iria suspender este alívio".

Já a descida das Euribor pode ser ainda maior se a economia da Zona Euro abrandar de forma significativa, sendo que nesse caso Mário Martins antevê a Euribor a seis meses a acabar 2024 entre os 2,75% e os 3%.

Questionados sobre o facto de a Euribor a três meses estar atualmente acima da taxa a seis meses, explicaram que acontece porque os mercados antecipam que a descida dos juros aconteça a médio prazo, só no segundo ou terceiro trimestre de 2024, o que tem sobretudo impacto nas Euribor de maior prazo.

A descida das Euribor terá impacto nos empréstimos, aliviando desde logo - ainda que ligeiramente - as prestações do crédito à habitação a taxa variável à medida que estas forem sendo atualizadas. A subida das Euribor tem aumentado as prestações pelo impacto dos juros que os clientes pagam.

Em novembro, a prestação média do crédito à habitação em Portugal foi de 396 euros, sendo que deste valor 156 euros foram capital amortizado (39% do total) e pagamento de juros. Ou seja, 61% da prestação foi para pagamento de juros, quando em novembro de 2022 esta proporção era 29%.

Segundo simulações feitas para a Lusa pela Deco/Dinheiro&Direitos, um cliente com um empréstimo no valor de 150 mil euros, a 30 anos, indexado à Euribor a seis meses e com um ‘spread’ (margem de lucro do banco) de 1%, paga atualmente ao banco cerca de 798,55 euros mensais (tendo em conta a Euribor média de dezembro de 3,927%). Já se a Euribor descer para 3,5% passará a pagar 760,03 euros, menos quase 40 euros.

Fonte: https://www.idealista.pt/news/financas/credito-a-habitacao/2024/01/02/60884-euribor-devera-cair-em-2024-e-aliviar-um-pouco-as-prestacoes-da-casa a 04-01-2024

HabitarInBasto está licenciada pelo IMPIC,I.P. para o desenvolvimento da atividade de mediação imobiliária - AMI 14242.

A HabitarInBasto está registada, no Banco de Portugal, como intermediário de crédito vinculado, sob o nº 6652. Proteja o seu investimento!

 

Quer vender,comprar ou arrendar um imóvel »  Contacte-nos »